segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Escuro Horizonte



De longe a avistei, que bela

Senti o suor frio pelo meu pescoço

Não lhe falei palavras de amor

Nem lhe disse quanto a amava

Meu coração perto dela bate tão alto

Que meu grito seria mudo

Sua mão em mim, brisa!

Que balança-me violentamente os cabelos

E não machuca-me os olhos

Venha!Venha Logo aos meus braços!

Não sabes tu que o veneno de tua espera

É que alimenta essa minha angústia

E que escuro é meu horizonte

Sem o brilho dos teus olhos

Venha!Venha Logo aos meus braços!

Poupa-me dos flagelos do relógio vil

Açoitando-me com segundos sem tua presença

Venha!Venha Logo aos meus braços!





por yuri da costa

Um comentário:

Tali disse...

Não sabes tu que o veneno de tua espera

É que alimenta essa minha angústia

E que escuro é meu horizonte

Sem o brilho dos teus olhos


Axei simplesmente perfeito